{Terça a sábado, 02 a 06 de abril de 2019} Como nossos dias na cidade foram um misto de descanso, trabalho e passeios, vamos juntar todos os dias nesse post e contar para você o que fazer em Ushuaia. E também contar sobre as pessoas que conhecemos por aqui. Foram dias ótimos!!

Nosso segundo dia foi de descanso, aproveitando a paisagem da janela do nosso Airbnb e colocando o trabalho em dia. Tão gostoso tomar um banho quentinho, comer uma comida quentinha preparada por nós e a noite poder assistir um filme. Isso que sentimos falta viajando de campervan.

Ficamos em Airbnb, mas você encontra aqui várias opções de hospedagem.

Organizamos toda a bagagem, que tínhamos tirado da campervan e aos poucos colocamos de volta à nossa casinha.
Lembra aquela sacola enorme de roupas que eu levei na lavanderia em Bunos Aires? Aqui a quantidade era a mesma, mas fomos lavando de pouco em pouco, num balde, aproveitando a calefação do apartamento para secá-las.

Como anda fazendo muito frio, com sensação térmica de -8 graus, decidimos tirar os sacos de dormir do bagageiro. Primeiro abri a fita de fechamento, depois as 2 presilhas, depois as 2 fechaduras, subi na roda segurando no ferro do bagageiro, peguei a escada, armei no lado do carro, tirei algumas coisas até chegar nos sacos de dormir. Até aí tudo bem, se não fosse o vento gelado e a neve fraca congelando os dedos.

Placa Ushuaia Fim do Mundo

Começamos pela placa de Ushuaia Fim do Mundo, que fica ali pertinho do posto de informações turísticas, entre as casinhas de venda de passeios de barco pelo canal Beagle.

Aliás, esse passeio de barco é o único que você realmente precisa contratar um passeio em Ushuaia. Nós não fizemos o passeio, pois como a nossa viagem é longa, precisamos escolher o que ver e fazer com muito critério.

Os demais passeios no Ushuaia você pode fazer a pé ou alugar um carro para fazer no seu tempo. Se for alugar carro, use nosso link tá? Clica aqui.

Letreiro de Ushuaia

Fomos de novo no letreiro de Ushuaia, agora com menos adrenalina para tirar mais fotos e fazer os vídeos para o vlog.

Avenida San Martin

Paralela à avenida da orla está a Avenida San Martin, a mais movimentada da cidade.

Aqui estão vários restaurantes, hotéis e lojas. E é onde você vai encontrar todos os turistas de Ushuaia, gente do mundo todo.

Mas para nossa surpresa várias lojas estavam fechadas. Pensamos que poderia ser a tal da siesta, mas logo vimos um aviso que era por conta do feriado do conflito das Ilhas Malvinas.

Começou a ficar mais frio e resolvemos dar uma volta de carro pela cidade e depois voltar para o nosso Airbnb, mas não foi bem assim.

Tem mais gente maluca pela América do Sul

Entramos no carro e vimos uns malucos vindo em nossa direção. Não entendi muito bem, mas o Douglas comprimentou como se já conhecesse eles. Então, comprimentei a galera. No fim o Douglas não conhecia, só foi na onda de ser simpático rsrs

São apenas um monte de maluco assim como nós que estão viajando de campervan pela América do Sul.

Conhecemos o pessoal da Família DuCerrado, que é uma família brasileira viajando em uma Kombi safari. O casal da Kombi Ramona, ela brasileira e ele argentino. Um casal argentino que está viajando em uma Kangoo, sem adaptações nem nada, só um colchão e sacos de dormir. Outro casal argentino em uma H1 Hyundai, que vai até o Alasca. E uma família argentina viajando em um Ford C10, ano 72, formada por um mecânico, uma cabelereira, o filho e um cachorro.

A oficina mais inusitada que já vi

Sorte nossa encontrar essas pessoas. Nosso carro estava fazendo novamente um barulho e estava com vazamento de óleo. Eu já estava com medo de ficar na estrada novamente. O Rodrigo, mecânico viajante, prontamente se ofereceu para dar uma olhada, ali no estacionamento público de Ushuaia ele ergueu o carro e arrumou.

Ele é uma pessoa e tanto! Não cobra pelo conserto de carros de viajantes que ele encontra pelo caminho. Não quis aceitar um pagamento, então dei um pacote de café. No começo pensei que não seria uma boa ideia ter o carro consertado lá, mas ele nos deixou mais tranquilos para seguir viagem.

Para comemorar esse encontro de malucos, nos reunimos a noite para comer um cordeiro no disco no camping municipal. Muita conversa, risadas, histórias, dificuldades compartilhadas e novas amizades.  Que noite!! Gratidão por isso tudo.

Barco Antártico

Desde os meus 14 anos eu queria saber como era um barco antártico. Meu primeiro livro sobre viagens foi do Amyr Klink, “100 dias entre céu e mar”. Me apaixonei pela ideia de viajar de uma forma diferente explorando o mundo.

Desde muito pequena, uns 5 ou 6 anos já era apaixonada por viajar, mas da forma como o Amyr Klink descreceu a experiência dele, me fez querer ver o mundo de uma forma diferente de apenas viagens de férias e feriadões.

Mal sabia eu que escolheria Turismo e Hotelaria como profissão, que moraria no Japão, que faria um mochilão de 5 meses pela Ásia e agora essa viagem de carro pela América do Sul.

Não foi abordo de um barco antárico, ainda, mas ter a oportunidade de sentir-se explorando o mundo, sentindo sensações parecidas com o que o Amyr Klink descrevia em seu livro, só me faz ser grata por tudo que já vivi até aqui.

E como são as coisas, não. Quando estavamos planejando nosso mochilão na Ásia em 2007 conhecemos virtualmente o Charlie e mantivemos uma amizade online. E mais de 10 anos depois ele estava em Ushuaia, nas mesmas datas que nós, com seu barco antártico que comprou a pouco mais de 2 anos.

Fomos lá finalmente encontrá-lo pessoalmente e ele nos convidou para visita-lo em seu barco. Bom, eu parecia criança, realizando um sonho de conhecer um barco destes bem de pertinho, entrar nele, imaginando as tormentas por onde ele passou, as paisagens do continente gelado, e tudo mais. Foi uma sensação incrível, como se eu voltasse aos meus 14 anos quando li o livro pela primeira vez.

Sim, eu ainda tenho o livro e leio de vez enquando, quando começo a esquecer quem eu sou e entro no ritmo do que as pessoas esperam que eu seja. E o livro foi autografado 20 anos depois, quando encontramos com o Amyr em um evento. Pior que não consegui nem falar com ele, travei ao ver ele de pertinho.

Mas enfim, o barco antártico do Charlie é incrível e a história de vida dele é inspiradora. Não vamos contar aqui não, mas saiba que deu um super ânimo para seguir adiante e fazer a nossa história ser um sucesso também.

Ele faz algumas viagens para a Antartica com grupos, então quem sabe você possa se aventurar com ele pelos mares que fizeram exploradores virem até o Ushuaia.

Não foi dessa vez que tivemos a oportunidade de explorar a Antartica, já passou o período das travessias, agora só em novembro até março.

Quem sabe daqui uns anos estarei aqui contando para vocês sobre nossa viagem para a Antártica em um barco antártico.

A tarde passou rápida, conversamos muito sobre muitas coisas e claro sobre esse mundo das viagens que tanto nos fascina.

Obrigada Charlie por proporciar realizar uma parcela desse sonho. Nos vemos pelo mundo.

Aniversário de Casamento

Em Ushuaia comemoramos nosso aniversário de casamento, 16 anos. Tínhamos combinado de ir em um restaurante bacana, mas estava tão frio e tinha fila no lado de fora. Para que sofrer, decidimos voltar para o Airbnb e prepararmos juntos uma comida que gostamos e depois assistimos um filme.

Nós nunca ligamos muito para datas comemorativas, ter que dar presentes e todas essas coisas. Nós celebramos cada vitória juntos, ou conquistas individuais, fazendo coisas que mais gostamos ou sonhamos em fazer.

Estávamos em USHUAIA, estamos viajando de carro e conhecendo lugares incríveis. Não havia motivo para ficar triste porque não comemoramos em um restaurante bacana.

E assim vivemos essa união de 16 anos. E que dure pra vida toda.

Glaciar Martial

Para colocar nosso condicionamento físico em teste, resolvemos fazer a caminhada do Glaciar Martial.

O dia estava nublado, chuviscava e parava, abriu o tempo, enfim, o tempo estava meio indeciso, como você vai perceber quando for ao Ushuaia.

Fomos de carro até o estacionamento de onde começa a caminhada, uns 7 km do centro da cidade. Passamos pelo posto de informações para saber como estava as condições da trilha e pegar umas dicas.

É super importante você sempre fazer isso, pois tem trilhas que você precisa registrar a sua entrada, para caso aconteça algo e você não volte, alguém vá atrás de você.

Se não tiver onde registrar, avise um amigo ou familiar que você está indo e a previsão de volta.

Estava bem frio, daqueles dias que não dá vontade de fazer nada, mas a vontade de chegar pertinho de um glaciar era maior que o frio que estávamos sentindo.

A primeira etapa da trilha é bem fácil, muitas pessoas fazem esse trecho com crianças. Tem uma subidinha em terreno de terra e pedras, mas é tranquilo e a vista é linda.

A segunda parte da trilha é de dificuldade grande. Foi incrível, foi cansativo, foi inesquecível, ventou muito forte, ventou que quase nos tirou da trilha, choveu, nevou um pouquinho, bem pouquinho, o frio estava intenso, a subida era puxada, mas chegamos lá.

E foi uma sensação tão boa que faltam palavras pra descrever a alegria de ver o glaciar de pertinho.

Afinal, o que fazer em Ushuaia

Nosso último dia preparamos um roteiro de 1 dia em Ushuaia, para ver tudo que não tinhamos visto ainda.

Tivemos que deixar de fora algumas coisas, algumas por estar fechado hoje, outras por ser bem caro, e outras porque o tempo ficou ruim até hoje.

Infelizmente com o tempo ruim, com chuva e neve, não conseguiriamos fazer tudo o que gostaríamos. Como teremos que voltar ao Ushuaia um dia para fazer a travessia para a Antártica, não ficamos tão tristes.

Antarctica Experience

Começamos com o Experiencia Antartida, que é gratuito.

Logo na entrada uma pessoa explica o que é a Antartida, como foi descoberta, o que é feito lá hoje e você pode tirar suas dúvidas.

Depois você entra em um simulador e com um óculos 3D, faz uma visita ao continente gelado. Só pra te deixar com mais vontade de viajar para lá.

Galeria Temática História Fueguina

Visitamos a avenida San Martin, agora com as lojas e restaurantes funcionando. Compramos uma lembrancinhas e fomos visitar a Galeria Tematica que conta a história Fueguina.

Que lugar bacana para entender Ushuaia, desde seus primeiros habitantes até os exploradores como Charles Darwin.

Recomendamos que você visite esse lugar no primeiro dia.

Resumidamente os principais lugares para você visitar em Ushuaia são: Letreiro de Ushuaia, placa Ushuaia Fim do Mundo, Galeria Temática História Fueguina, Avenida San Martin, Glaciar Martial, Passeio de barco no canal Beagle (quando tem pinguins), Nave Tierra, Centro de Artesanos, Casa Beban, caminhada para a Laguna Esmeralda (fora da cidade, precisa ir de carro, taxi ou contratar tour) e as caminhadas no Parque Nacional Terra del Fuego.

Claro que você também pode brincar no cassino e no inverno aproveitar para esquiar.

Despedida de Ushuaia

Confesso que foi triste deixar Ushuaia, queríamos ficar mais. Queríamos ter a oportunidade de explorar mais a cidade, precisaríamos de mais uns dias e o tempo tería que ficar melhor, mas a previsão era de neve para os próximos dias e não poderíamos arriscar ficar presos na cidade.

Afinal, nenhum de nós dois tem experiência em dirigir na neve, não temos a corrente para colocar nas rodas e o caminho de volta para sair do Ushuaia apesar de bonito é cheio de curvas e penhascos.

Saímos com o coração apertado. Passando pelo portal de Boa Viagem de Ushuaia um policial nos parou.

Nos pediu os documentos e disse que o farol esquerdo estava queimado. Estava mesmo, a gente já sabia, mas acabamos deixando para trocar depois e esquecemos.

Logo pensei, aí vem multa ou tentativa de extorquir $$. Pedi desculpa e ele gentilmente explicou que é perigoso, ainda mais em uma estrada sinuosa e com alta possibilidade de neblina.

Depois, ele nos disse que é proibido deixar o celular preso ao parabrisa na frente do motorista. Ele deve ficar no lado do passageiro e a tela não pode ficar virada para o motorista. De novo pensei na extorção…

Mas o policial foi muito gentil. Ele disse para darmos meia volta e ir no posto YPF ali perto para trocar. E que se lá não tivesse lâmpada, para ir até Tolhuin e trocar lá sem falta.

Fomos ao posto e um funcionário super simpático, que quer aprender português, trocou a lâmpada rapidinho. Custou 510 pessos, cerca de 50 reais.

Passamos novamente pelo policial e agradecemos. Ele nos desejou boa viagem e disse para tomarmos cuidado no caminho, que a estrada estava boa, mas tinha neve nas laterais.

USHUAIA, quero ficar maisss.

Quer saber mais sobre essa viagem? Confira esse post aqui melevadeleve.com/viagem-de-carro-pela-america-do-sul

Números do dia:

Distância percorrida: 100,3 km
Mercado: $ 584,57 pesos argentinos (aprox. R$ 58,46)
Lâmpada do carro: $ 510 pesos argentinos (aprox. R$ 51,00)

Contribua para essa viagem

Está gostando da nossa viagem de carro pela América do Sul? Então use nossos links para reservar as suas viagens. O valor não muda para você e a comissão que ganhamos é bem pequena, o preço de um cafezinho que você toma enquanto está lendo e se divertindo com o diário da viagem e as nossas dicas.

Hospedagem: Booking.com ou Airbnb (Airbnb com desconto de R$ 130,00 na primeira hospedagem e R$ 49,00 em uma experiência)
Seguro Viagem: Seguros Promo (com 5% de desconto)
Passagens Aéreas: Passagens Promo
Aluguel de carro: Rentcars
Transfers: Viator
Passeios: ViatorTiqetsTourOn e Get Your Guide
Chip de celular para internet móvel e telefone: My Sim Travel
Transferência online de dinheiro para o exterior: Transfer Wise

Agradecimentos aos nossos apoiadores dessa viagem:

 

Julia Flores

Formada em Turismo e Hotelaria, com pós-graduação em Marketing Estratégico e experiência com marketing de destinos turísticos. Amo viajar, não pelos carimbos no passaporte ou pelas selfies, mas pelo o que as viagens me proporcionam. Gosto de praticar esportes, mas também adoro ficar de preguiça no sofá em dias frios ou chuvosos.

Deixe seu comentário