Dia 44 – Primeiras impressões de Bangkok

Bangkok tem uma atmosfera vibrante, já deu para perceber ontem. Hoje começamos a conhecer outra parte da cidade, mais distante da Khao San Road, onde estamos hospedados. As primeiras impressões de Bangkok foram ótimas, acho que o roteiro na cidade vai ser demais!

Acordamos cedo e saímos para ir até o consulado de um dos próximos países do roteiro pela Ásia, para pedir o visto. Qual será? Quem adivinha??

O café da manhã não está incluído na diária do hotel, então saímos para comer na rua.

Veja aqui onde ficar em Bangkok ou reserve pelo Airbnb e ganhe crédito de R$100,00.

De ônibus por Bangkok, como a população local

Ganhamos confiança para usar os ônibus coletivos daqui e conseguimos um bom mapa com informação das linhas de ônibus. Agora vai!!!

Logo que chegamos na avenida, o ônibus número 2 já chegou, então subimos e só depois percebemos que esquecemos de tomar o café da manhã e de comprar água.

O trânsito de Bangkok é bem pesado e a cidade é muito poluída. Parece São Paulo. Aliás, todas as cidades grandes e poluídas parecem São Paulo.

No começo o ônibus mais ficava parado do que andava, mas depois que ele chegou no corredor de ônibus, tudo fluiu muito bem.

Ficamos olhando pela janela o tempo todo tentando ler o nome das ruas e procurando no mapa para saber a hora de descer. Perdidos, mas fazendo de conta que estava tudo sobre controle.

A pé por Bangkok

Descemos perto do consulado e continuamos andando procurando um lugar para tomar café da manhã. Não encontramos nenhuma padaria, ou qualquer coisa semelhante, então acabamos comprando 2 abacaxis de uma barraquinha de rua.

Esquecemos de perguntar o preço antes e o tiozinho cobrou o dobro do preço das barraquinhas da Khao San. Agora era tarde, tivemos que pagar a mais. Vida de estrangeiro não é fácil!

Ficamos até 1h da tarde no consulado do tal país (qual será??) e depois pegamos o metro até o Parque Lumphini.

Parque Lumphini

O Parque Lumphini é uma grande área verde no meio dos prédios de Bangkok. Encontramos lá muitas pessoas se exercitando, fazendo musculação, lendo, correndo, dormindo. Enfim, é um parque cheio de vida e vale a pena conhecer se você tem alguns dias para ficar na cidade.

Conversamos com um cara que estava fazendo manobras com bicicleta. Ele é profissional, tem patrocínio e já viajou para vários lugares para competir. Fotografamos e filmamos o treino dele para a próxima competição na Malásia, no mês que vem.

A Jú estava tirando fotos de um cara praticando artes marciais e algumas pessoas foram andando em direção a ela devagarinho, fotografando e filmando.

Ela percebeu as pessoas, mas não enxergou o que eles estavam vendo, mas sabia que era um bichinho. Ela não se mexeu para não assustar o tal bichinho. Quando ela viu, era um lagarto de um metro e meio e estava bem pertinho dela, saindo da lagoa…

Ela levou um susto e me chamou para ver. Ficamos lá, os 7 estrangeiros, cercando o lagarto de longe para filmar e fotografar. Quando o lagarto virava, a gente dava uns passos para trás, meio na defensiva. Patético. Logo o bichinho voltou para a água e sumiu.

Erawan Shrine

Depois andamos até o Erawan Shrine, um templo bem pequeno, mas muito movimentado. O templo é dedicado a Brahma, um dos 3 principais deuses do hinduísmo.

Nunca vi tanto incenso aceso ao mesmo tempo. A fumaceira tomou conta de tudo.

As pessoas ajoelhavam e rezavam em frente a imagem de Brahma e penduravam guirlandas de flores nas grades em volta da imagem.

Quem não tinha tempo de entrar, fazia o sinal com a palma das mãos juntas, lá da rua mesmo e depois continuava a caminhar.

De volta à Khao San Road

Seguimos nosso caminho até o ponto de ônibus para voltar para “casa”. Pegamos o ônibus 2 de novo, dessa vez lotado de gente.

O cobrador viu que éramos estrangeiros e quando chegamos perto da Khao San ele já avisou para descer. Nem tinhamos dito nada para ele hehehe.

Chegamos só o pó no hotel, tomamos banho e logo descemos para jantar.

Aqui precisamos pagar a diária do hotel sempre adiantado. Paga uma noite, dorme uma noite. Paga outra noite, dorme outra noite.

Nosso hotel custa 300 baht, isso dá USD 4,40 para cada um de nós. O hotel não é bom, mas compensa.

Comemos um arroz fritinho com carne e legumes, chamado Kao Pad, muuuuuito bom, bem temperado e sem pimenta. O melhor de tudo é que é muito barato. Só USD 1,30 por um pratão bem grande.

Voltamos para o quarto e capotamos…

Para planejar o seu roteiro na Tailândia, leia os outros posts aqui e para saber onde ficar, veja as opções de onde se hospedar em Bangkok. Os passeios, as atividades imperdíveis em Bangkok e os transfers você encontra aqui.

Compartilhe
Douglas e Julia

Douglas e Julia

Bio de casal? Como assim? É que alguns textos foram escritos juntos, então aqui estamos nós. Julia é gaúcha que solta uns 'ô meu' e Douglas é paulista que manda uns 'bah tchê'. São formados em Turismo e Hotelaria com especialização em Marketing, amam viajar e criaram esse blog em 2005. Já viu, né, viagem é o assunto principal deles.

4 comentários em “Dia 44 – Primeiras impressões de Bangkok

  • Avatar
    23/08/2007 em 23:59
    Permalink

    O que faz a fome, rsrsrssr, nem pensarão no dinheiro….
    cuidado com os bichinhos de um metro e meio rsrsrsrs…
    bjssssssss

    Resposta
  • Avatar
    24/08/2007 em 22:02
    Permalink

    Ola casal!! Td bom?? Achei o blog de vcs esses dias ..
    e li tudo de ontem pra hj!! Muito maneiro!
    Só fiquei curioso com uma coisa …
    onde vcs estavam antes do início da viagem? Japão?
    Estavam trabalhando??E outra coisinha, se não for muita intromissão,
    como está a média de gastos diários de vcs?
    Muita sorte pra vcs!!Abraços e beijocas
    Guilherme

    Resposta
  • Avatar
    25/08/2007 em 16:10
    Permalink

    Ola Guilherme
    A gente estava no japao trabalhando sim…
    Manda seu e-mail ou escreve pra gente no mochilao.na.asia@gmail.com
    pra gente falar dos custos pq isso depende de muitas coisas…
    Valeu pela forca!!!Abracos!!

    Resposta

Deixe seu comentário