Hoje foi um dia muito esperado, de passeio no Phang-Nga Bay National Park, para ver e viver o lindo mar da Tailândia. Anote aí, Phang-Nga Bay deve ser colocado no seu roteiro de viagem na Tailândia.

Acordamos cedo e às 8:30 chegou o minibus que nos levou ao passeio. Passamos em outros hotéis para pegar mais gente e seguimos para a província de Phang-Nga.

Depois de uma hora e meia na estrada chegamos no pier e embarcamos no Long Tail Boat com destino a Khao Phing kan.

O Parque Nacional de Phang-Nga Bay é formado por muitas rochas de diversos tamanhos, encravadas nas águas claras da baía.

Estava chovendo, mas fomos assim mesmo, felizes por estar nesse lugar que nos arrancava suspiros quando víamos nas revistas.

Veja aqui onde se hospedar em Phuket ou reserve pelo Airbnb e ganhe crédito de R$100,00.

James Bond Island

Essa ilha é conhecida como a ilha do James Bond, pois aqui foi filmado parte do filme 007, The Man With the Golden Gun.

Phang-Nga Bay National Park Tailandia James Bond Island

Nessa ilha há uma rocha enorme com um dos lados reto que fica encostado em outra rocha, formando uma fenda muito alta.

Phang-Nga Bay National Park Tailandia James Bond Island

Daqui dá para ver o Koh Tapu, que é uma rocha fina na base e bem alta, uma das rochas mais fotografadas da baía.

Phang-Nga Bay National Park Tailandia James Bond Island

Talu Island

Pegamos o Long Tail Boat de novo e partimos para Talu Island. Lá trocamos o Long Tail Boat pelo barco comum no meio do mar mesmo. Em seguida subimos no bote para explorar as cavernas.

Long Tail Boat Phang-Nga Bay National Park Tailândia

O remador ia nos conduzindo e tentando explicar as coisas com palavras simples e gestos, pois o inglês dele não era bom…

Phang-Nga Bay National Park Tailândia

Certa hora ele falou para deitarmos no bote, e demoramos um pouco para entender.

Deitamos e ele passou pela entrada da caverna, quase encostando as rochas em nós.

Phang-Nga Bay National Park Tailândia

Dentro da caverna é possível ficar sentado de novo no bote, pois ela é bem alta.

As rochas são esculpidas pela ação da água e o visual é deslumbrante.

Depois de um tempinho contemplando o lugar, deitamos de novo no bote e saímos pelo outro lado da caverna.

Quando sentamos de novo no bote, vimos que estávamos no meio de um mangue escondido entre as rochas.

O remador levou o bote por entre as árvores e tivemos que ficar desviando o corpo para não bater nos galhos.

Recolhemos duas garrafas que estavam boiando na água. Assim como não custa nada manter limpo o local que visitamos, também não nos custou nada recolher aquelas garrafas.

Não sei se foi por causa disso, mas o remador passou a nos levar para lugares que os outros turistas não estavam indo.

A área tem muitas rochas e às vezes no espaço entre elas só passa o bote. Ficamos quase uma hora entre galhos, rochas e cavernas e depois voltamos para o barco.

A nossa guia também ficou feliz pelas garrafas e nos agradeceu…

Hong Island

O barco grande nos levou até a Hong Island enquanto a gente comia abacaxi a bordo e a tempestade nos fazia pensar que o dia de passeio tinha terminado. Por sorte a tempestade passou, só ficou uma chuva chata que ia e voltava.

Conhecemos um casal de Chipre e uma família do Iraque. Foi a primeira vez que conversamos com pessoas desses países. Por isso que amamos viajar, nos dá a possibilidade de encontrar pessoas que tem outra visão sobre a vida e o mundo. a nossa ‘verdade’ é relativa.

Em Hong Island as cavernas inundadas são ainda mais baixas e a ponta do bote passa raspando nas rochas, raspando mesmo. Se a gente levantar o joelho só um pouquinho, machuca ele todo pois as rochas são afiadas!

Vimos uma pedra enorme que parece uma cabeça de peixe. A entrada da caverna com as rochas em cima e em baixo parece a boca do peixe com os dentes pontudos.

Voltamos ao barco grande e seguimos, comendo bananas dessa vez, para a caverna dos morcegos.

Essa caverna é escura demais, não dá para ver nada, por isso cada bote tinha uma lanterna. O remador falou para gente iluminar o teto e vimos muitos morcegos pendurados!!! MUITOS!!

Quando voltamos para a saída da caverna, estava caindo uma tempestade assustadora, e o remador remou tão rápido que parecia que o bote tinha motor! Ficamos todos completamente molhados!

No barco grande almoçamos uma comida ótima, bem variada e a vontade, enquanto seguíamos para a vila flutuante.

Vila Flutuante

Essa vila toda é construída por cima do mar e aqui tem de tudo que uma vila normal possui, inclusive escola e pronto socorro.

Claro, tem muitas lojas para turistas. Tive que comprar uma camiseta porque a minha estava totalmente encharcada.

Vila Flutuante Phang-Nga Bay National Park Tailândia

A mulher da lojinha pediu um absurdo pela camiseta e usando do nosso aprendizado em Bali, pagamos quase 4 vezes menos do que ela pediu. Good for us, but veeeeery good for her.

Vila Flutuante Phang-Nga Bay National Park Tailândia

Voltamos ao barco e seguimos para o pier onde tudo começou. Na hora de ir embora, depois que nos despedimos de todos, vimos que algumas pessoas estavam dando gorjeta, cada um para o seu remador, mas nós já tínhamos saído e não demos nada. Acho que foi por falta de costume.

No minibus, ficamos pensando sobre isso e percebemos que o valor da gorjeta para nós é muito pouco, mas para o povo local vale bastante.

Essa foi uma aventura inesquecível. Uma das melhores de nossas vidas com certeza!!!

Para planejar a sua viagem a Tailândia, leia os outros posts aqui e para saber onde ficar, veja as opções de hospedagem. Os passeios, as atividades imperdíveis na cidade e os transfers você encontra aqui.

Posts relacionados

Douglas e Julia

Bio de casal? Como assim? É que alguns textos foram escritos juntos, então aqui estamos nós. Julia é gaúcha que solta uns 'ô meu' e Douglas é paulista que manda uns 'bah tchê'. São formados em Turismo e Hotelaria com especialização em Marketing, amam viajar e criaram esse blog em 2005. Já viu, né, viagem é o assunto principal deles.

13 comentários em “Dia 38 – Visitando o Phang-Nga Bay National Park

  1. Quando chegarem ao Brasil vão precisar tirar ferias dessa aventura,
    vão chegar cansados, rsrsrsrs….
    esta sendo muito bom visitar o blog de vcs,
    assim viajo um pouco com vcs heheheheeh.
    Bjssssss

  2. Olá, hoje consegui visitar o blog e conferir a aventura de vcs,
    desejo que curtam muito essa viagem, adorei os acontecimentos
    com a Julia,rsrsrs….
    se cuidem.um grande abraço,
    Edinho…….

  3. Oie!! Que lindos os lugares que vocês foram,
    realmente é algo que vai ficar para sempre com vocês!!
    Beijos… Fran

  4. Ai td em ordem com vcs?
    Nossa muito linda as fotos…e os relatos então nem se fala…
    Vão publicar um livro quando terminarem? Abraços
    Jonas Schwertner

  5. Nossaaa adorei o blog de vcs,
    mochilão nas costas pelo mundo eh a coisa mais perfeita,
    na minha concepção!
    Tbm sou estudante de turismo..e adoro tdo que diz a respeito!!
    Otima viagem pra vcs!!^^

  6. Oi pai,
    acho que vamos precisar de ferias sim…A ideia do blog e essa mesmo,
    passar um pouco do que a gente esta aprendendo…
    a gente so nao esperava tantas visitas assim…
    saudades

  7. oi Fran e Mateus
    Com certeza vao ficar.
    A gente pensava que era tudo feito no photoshop. mas nem precisa.
    os lugares sao fotogenicos demais…
    bjooooooo

  8. E ai Jonas?
    Que bom que vc esta gostando.
    Se um mochileiro como vc esta gostando dos relatos,
    ficamos mais felizes ainda…Quem sabe sai um livro…
    Abracos

  9. Ola deise.
    Mochileira e turismologa?!?!
    Acho que falamos a mesma lingua…
    Obrigado pela visita..Continue por aqui…

Deixe seu comentário