Você já deve ter percebido que eu sou descendente de japoneses, né?

E vocês sabem que na escola os japas sofrem o tal do ‘bullying’. Na minha época essa palavra não existia, mas acontecia.

Nunca liguei para isso, e foi em Singapura que me senti pela primeira vez realmente acuado por ter sangue nipônico e olhos puxados.

No nosso terceiro dia do mochilão em Singapura, visitamos o Battle Box, que hoje é um museu localizado no Fort Canning Park.

Veja aqui onde se hospedar em Singapura ou reserve pelo Airbnb e ganhe crédito de R$100,00.

E essa história começou com um simples diálogo entre nós e o guia que nos acompanhou no passeio:

– Olá! Vocês são de onde?

– Olá! Do Brasil.

– Do Brasil? Mas você (olhando para mim) não parece ser do Brasil…

– É que meus bisavós eram japoneses e foram pro Brasil, quando meus avós eram crianças. Acho que fugindo da situação do Japão por causa da Primeira Guerra Mundial.

Pronto, mal entendido, acho que ele só memorizou Japão e guerra…

Battle Box

O Battle Box foi um quartel general subterrâneo (um bunker) usado pelos britânicos para ajudar Singapura a se defender da invasão dos japoneses na Segunda Guerra Mundial.

O que ver e fazer em Singapura Batlle box

O bunker fica a nove metros de profundidade e é à prova de bombas. As paredes têm 1 metro de espessura, para proteger o interior dos incessantes ataques à bomba que os britânicos sofriam da artilharia japonesa.

Nas salas do ex-quartel general britânico hoje há bonecos de cera. Também estão expostas as mobílias originais e réplicas, remontando o dia-a-dia dos oficiais durante a guerra.

Alguns bonecos se movem, simulando, por exemplo, o coronel Percival mostrando a estratégia de defesa numa mesa com um mapa enorme.

Compare aqui seguro viagem internacional com 5% de desconto.

O que ver e fazer em Singapura Batlle box

Outras salas recriam os ambientes de um quartel: sala de comunicação, refeitório, banheiro, sala de armamentos.

Em uma sala é possível ouvir o estrondo do bombardeio incessante dos japoneses.

O que ver e fazer em Singapura Batlle box

É de ARREPIAR, pois o som das bombas faz tudo na sala tremer, como um ataque verdadeiro, enquanto os oficiais falam nos rádios e telefones, implorando por ajuda de qualquer tropa que pudesse parar o ataque japonês.

Não se sabe quantas salas são, alguns dizem 22 e outros dizem que são 29 salas. Há até uma lenda, o Mistério do Battle Box, sobre uma sala em que os visitantes não tem acesso.

O que ver e fazer em Singapura Batlle box

Um pouco de história

Em fevereiro de 1942, depois de bombardear incessantemente a região do Fort Canning, 500 oficiais britânicos se refugiaram no Battle Box e foram cercados lá dentro.

Acabaram se rendendo logo, e a participação britânica nessa região ficou conhecido pelo grande fracasso estratégico.

Tudo no museu leva ao dia 15 de fevereiro de 1942, data em que os britânicos se renderam e os japoneses ocuparam Singapura.

E muito mais do que oficiais britânicos, quem sofreu com a invasão japonesa foi a população de Singapura.

Eles tiveram que se sujeitar por alguns anos às atrocidades da política expansionista do Japão, como a ‘purificação étnica’, que fez milhares de descendentes de chineses (maioria que habitava a região de Singapura e Malásia) serem executados.

Quem não foi perseguido pelos japoneses sofreu com a super-inflação que se instalou no país. Isso tornou escasso todos os suprimentos básicos da população. Havia além disso, o clima constante de ser observado pelo exército nipônico.

O Battle Box ficou sob ocupação japonesa até o final da 2ª Guerra Mundial, quando o Japão se rendeu após as duas bombas atômicas.

Para a população local foram 3 longos anos nas mãos do Império do Japão.

O que ver e fazer em Singapura Batlle box

E foi por isso que, a cada palavra dita pelo guia, a cada explicação sobre o Battle Box, a cada informação de Singapura na Segunda Guerra Mundial, o guia do museu ficava me encarando, como quem queria me fuzilar com os olhos para se vingar dos crimes de guerra que o Japão cometeu contra ‘ele’.

Não fui eu

Foi tenso, não havia antes me sentido sob uma pressão assim. E foi dessa forma que pela primeira vez o bullying me deu um soco no estômago.

Tá, tem um pouco de exagero nisso, mas o cara tava mesmo me encarando e quase me convenceu que eu fui no passado o opressor dele.

Felizmente saí de lá ileso, para dizer que o museu vale muito ser visitado por ser um dos principais atrativos turísticos de Singapura.

Se você for à Singapura, não deixe de visitar também o Fort Canning Park, onde se localiza o Batlle Box. O parque é muito bonito e possui muitos outros atrativos.

Para planejar a sua viagem a cidade de Singapura, leia os outros posts aqui. E para saber onde ficar na cidade, veja as opções de hospedagem de Singapura. Os passeios e as atividades imperdíveis na cidade você encontra aqui.

Posts relacionados

Douglas Sawaki

Formado em Turismo e Hotelaria, com experiência em vendas e marketing na área do Turismo. Paulista que aprendeu a curtir São Paulo depois que deixou de ser um cara estressado. Meio sedentário, meio esportista, se é que você me entende.

2 comentários em “Battle Box – Museu sobre a Segunda Guerra Mundial

Deixe seu comentário