29 de setembro, o dia D da trilha, Passo Salkantay

“Bom dia!! Preparado para o segundo dia, do Passo Salkantay?” pergunta o guia, enquanto meio zonzo eu ainda tento entender onde estou.

Sonhei que estava naquele baita hotel de Cusco, mas não, agora são 5 horas da manhã e eu estou na barraca num frio intenso, a 3.900 metros de altitude (um sonho antigo sendo realizado).

Hoje é o dia mais difícil da Trilha do Salkantay, em que subimos ao ponto mais alto até o Passo Salkantay. Quem passar ileso pelo segundo dia pode se considerar um grande trekker. Sair ileso?? Será esse o meu caso?

Se não bastassem a dificuldade da trilha, o cansaço ainda de ontem e o ar rarefeito, hoje ainda tem um agravante sério. O solado da minha bota começou a se soltar ontem e estou agora o amarrando com corda e remendando com silvertape, mas sinceramente não sei se vai aguentar.

Já sinto o cheiro de café passado daqui. Troco de roupa rapidamente, arrumo a bagagem e saio para o café da manhã.

O pão foi assado aqui no acampamento mesmo. Também tem aveia com leite e banana, diversidade de chás (adivinha qual eu escolho), leite com achocolatado e o tal do café que senti de longe.

Saindo do acampamento Soraypampa

Agora são 7 horas e eu já começo a trilha com dor nos joelhos. Já tinha aprendido na trilha do Monte Fuji que o que acaba com o trekker é a descida, muito mais do que a subida, pois os trancos dos passos forçam muito a rótula.

Vim preparado, com um par de joelheiras para diminuir esses impactos, além dos bastões de caminhada, mas sinceramente não sei, não…

Soraypampa vai ficando para trás. Começo o dia no bloco da frente, mas pouco a pouco vou ficando para trás. O bom disso é que eu converso com todos 🙂 Com o guia que puxa o pessoal, com os de porte de atleta, com os mais ou menos em forma e com os que sempre ficam por último, seja por falta de condicionamento, seja por ficarem batendo papo com o guia de trás ao invés de dar um gás nos passos.

Ontem uma das participantes já tinha pego uma carona no cavalo de apoio. Eu desde o começo decidi não usar o cavalo em hipótese alguma. Tenho um desafio que não vou desistir de cumprir: terminar a trilha com minhas próprias pernas.

Depois de uma hora de caminhada, um segundo participante não resiste e pede carona. Agora é um homem, que parecia estar em forma e estava me acompanhando sempre no bloco intermediário. Meia hora depois, outro homem ‘pediu pra sair’.

É, cavalinhos, acabou o descanso, hora de trabalhar. Acharam que iam ficar só passeando pelas montanhas?

Hoje é um dia muito difícil pois é o trecho que atinge a maior altitude: 4.638 metros, no Passo Salkantay. A trilha é super íngreme em muitos pontos e também muito estreita em outros.

Cavalo não!

Chego razoavelmente bem na parada para descanso em Salkantaypampa, a 4.150 metros de altitude. A verdade é que fui uns dos últimos e só queria saber de descansar muito e respirar, respirar, respirar.

Sim eu estava bem, mas algo acontece comigo quando vejo meia dúzia de meus companheiros de trilha se divertindo a beça, correndo, pulando para as fotos, como se estivessem num parquinho de diversões.

Depois de ter descansado já uns 20 minutos, começam os preparativos para continuar. Subitamente me sinto mal. Não sei o que está acontecendo comigo. Só consigo chamar a pessoa ao lado e pedir para ela chamar o guia.

O esgotamento toma conta de mim em um nível nunca antes experimentado. Escuto os guias comentando em espanhol: bla bla bla caballo, bla bla bla caballo.

Não! Cavalo não! Penso sozinho…

O guia traz o cilindro de oxigênio e eu fico por uns 7 minutos respirando pausadamente, me “alimentando” para poder continuar.

O guia diz:

– O Zach está bem. Ele vai caminhar e deixar o cavalo para você.

Não sei porque, mas na minha cabeça veio uma música dos Engenheiros do Havai: “eu não vim até aqui pra desistir agora!”

– Jonh, vou caminhar. Vou ficar muito frustrado comigo mesmo se eu usar o cavalo.

Ele orgulhosamente diz:

– É isso cara! Vamos! Vamos!

Superação, rumo aos 4.600 metros

O grupo já estava uns dez minutos a frente quando eu e o John voltamos a caminhar. O oxigênio está fazendo um efeito inimaginável, eu me sinto leve, respiro mais fácil, como se meus pulmões tivessem passado por uma reforma.

A oxigenação parece ter efeito também sobre os músculos. Agora sinto minhas pernas mais confiantes e determinadas. Vejo um dos cavalos de apoio, sumindo e reaparecendo a cada curva. Estou ficando cada vez mais perto do grupo, mas sinceramente não passa pela minha cabeça alcança-los. Para quê? Sigo no meu ritmo.

Depois de um bom tempo o guia me sorri. Não sei bem o que está acontecendo e sigo meu passo. Mais algumas curvas e outro sorriso.

– Consegue ouvir?

– Ouvir o que? Só escuto meu coração batendo acelerado e minha respiração ofegante.

– É o som da glória. Da sua glória.

Passo Salkantay

Paro para prestar atenção e escuto batidas sincronizadas, é um som de metal. Vários metais batendo como quem diz “vai, vai, vai”

– Cara, você conseguiu! Você veio sem o cavalo!

– Chegamos no passo? Chegamos no Passo Salkantay?

– Sim! Logo depois daquela curva!

Apresso a passada. Nessa hora o cansaço todo se vai, não sei como, não sei pra onde!

Faço a última curva e vejo todo mundo me esperando, formando um corredor, batendo os bastões de trekking.

Cheguei! Cheguei!!!

Montanhas Vilcabamba e mais caminhada, montanha abaixo

É hora de celebrar. O guia nos diz para relaxar e mais do que contemplar a vista das Montanhas Vilcabamba e da face sul do Salkantay, ele diz para pensarmos em nossas vidas, nossa trajetória pelos anos vividos e o rumo que ela está tomando.

Uma lágrima escorre. Simplesmente queria a Jú aqui comigo.

Como mágica o cansaço some e aproveito esse tempo para empilhar pedras, um ato de reflexão.

Enquanto isso o guia nos ensina sobre a cultura Andina, assim como fez pouco a pouco em cada parada de descanso.

Uns 10 minutos depois (só 10 para mim, pois alguns haviam chego a mais de 40 minutos) começo a descer rumo ao próximo ponto de acampamento. Vejo alguns condores voando pelos vales, dançando ao vento com graciosidade.

Agora é hora do almoço, em Wayracmachay. Falta pouco para chegar na margem esquerda do rio Salkantay onde está o acampamento Andenes.

O caminho é mais agradável que a primeira parte do dia, pelo menos parece, já que agora consigo reparar mais, ver as várias borboletas cruzando nosso caminho. As orquídeas ajudam a dar cores à paisagem.

O dia já está quase escuro quando finalmente chego ao acampamento, localizado a 3.200 metros de altitude.

Acampamento Andenes

A equipe de apoio nos espera com quase tudo pronto, inclusive o jantar.

Como em alguns momentos meio rápido e em outro, bem devagar, em um misto de pressa para terminar de jantar e ir dormir e de aproveitar esse momento acolhedor, onde todos comentam sobre os desafios superados hoje.

Não sei que hora é agora, mas sei que não está tão tarde. Entro na barraca, tomo um banho de lenço úmido, visto uma roupa quente e confortável.

Os pés doem mais do que as pernas e diferente de ontem, também doem mais do que a cabeça. O sentimento de superação faz a dor de cabeça quase que sumir.

Enquanto eu durmo aqui na barraca, dá uma olhada nas outras fotos de hoje…

Para planejar o seu roteiro no Peru, leia os outros posts (e o diário do trekking no Salkantay) aqui. E para saber onde ficar, veja as opções de onde se hospedar em Cusco. Os passeios, as atividades imperdíveis em Cusco e os transfers você encontra aqui.

Douglas Sawaki

Formado em Turismo e Hotelaria, com experiência em vendas e marketing na área do Turismo. Paulista que aprendeu a curtir São Paulo depois que deixou de ser um cara estressado. Meio sedentário, meio esportista, se é que você me entende.

PROGRAME A SUA VIAGEM AQUI

Escolha e reserve: Hotel | Airbnb

  Compare preços e planos e contrate o seu seguro de viagem

Compre antecipado e online entradas de atrativos e passeios: No Brasil | No exterior

Compare as empresas de aluguel de carros e viaje no seu tempo. Pagamento parcelado.

22 comentários em “Trilha Salkantay – Dia 2: Superação no Passo Salkantay

  1. Fazer uma trilha dessa é o meu sonho, não sei se aguentaria, parece muito difícil, mas a superação ao chegar lá encima deve ser a maior recompensa. Parabéns!

    1. Oi Clara!! Obrigado! Quando for, contrate uma empresa que oferece os cavalos de apoio, assim, se você não aguentar, vai de carona 🙂

  2. Foi um trilho bem doloroso mas conseguiste sem cavalo, parabéns! Adorei ler o segundo dia, lembrei logo o dia que passamos o trong la pass no trilho de Annapurna, no Nepal. Que dificuldade em andar e respirar ao mesmo tempo, mas no fim sabe tão bem, como uma vitória!

    1. Oi Marta! Obrigado!! Annapurna, que demais! Sabe bem o que passei então. Ainda faremos a trilha do Annapurna também, mas antes a do acampamento base do Everest 🙂

  3. Adorei seu relato! Fiz uma trilha longa no Himalaia há alguns meses e é impressionante como a altitude pega e deixa a gente completamente sem ar e exausto! Mas nos jogamos nessas aventuras pra desafiar os limites do nosso corpo e da nossa mente, não é mesmo?! Parabéns pela conquista! Boas aventuras aí!

    1. Oi Cissa, obrigado pelo comentário! A falta de oxigênio é a grande barreira mesmo, mais até do que a caminhada. Sim, desafiar os limites é que é a beleza dessas viagens. Ainda vamos fazer a trilha do acampamento base do Everest 🙂 Uma vez planejamos tudo, mas a ida não deu certo. Está tudo aqui arquivado esperando a oportunidade 🙂 Boas aventuras para você também!

    1. Oi Nanda! É sim, uma baita aventura!! Os Legos Viajantes não podiam ficar de fora dessa rsrs

  4. Quando estive no Peru fiz o Caminho Inca, que adorei, e por isso não fiz este. Dizem maravilhas deste trek. Um dia volto para experimentar. No Caminho Inca, o Dead Woman Path também é muito duro mas talvez por isso seja tão bom!

    1. Oi Carla, Quero fazer o caminho Inca também. Ele tem mais ruínas Incas né? Já o Salkantay tem mais paisagens das montanhas. cada um tem a sua beleza. 🙂

  5. Waow Douglas…. eu fiquei cansada só de ler este post. Mas apesar de todos os contratempos e dificuldades, deve ser muito gratificante chegar ao fim da trilha do Salkantay. =)

    1. Oi Martinha! Sim, gratificante é a palavra perfeita. Completar a trilha dá uma sensação incrível! 🙂

  6. Parabéns ! As dificuldades ainda dão mais importância às nossas pequenas grandes conquistas diárias! Bem verdade que as descidas é que dão cabo das perninhas ! Boas vIAGNES.

    1. Obrigado Francisco!! É verdade, quanto mais difícil, maior é o sabor da conquista. Boas viagens!!

  7. Uau! Que história de esforço e de superação!! Ainda bem que conseguiu chegar lá acima sem o cavalo! Espero um dia também conseguir! Boas viagens!!

  8. Douglas, que relato mais gostoso de se ler!!!
    Sofri com você, cansei com você, vibrei e comemorei com você e me senti lá na trilha te acompanhando nesse seu dia de superação!
    Gostei MUITOOO e me emocionei de verdade com a sua chegada, e com esses companheiros maravilhosos batendo os bastões de trekking! Que experiência incrível! =)

  9. Olá, Douglas. Uma linda experiência que você nos contou. É verdade que o Caminho Salkantay é excelente e muito bonito, porém muito cansativo, mas vale a pena. Li todo seu post e pude reviver minha experiência com ele.

    Fiz o Caminho Salkantay há um ano. Fiz esta rota porque não consegui comprar a cota para o Caminho Inca, porém não me arrependo. De qualquer maneira algum dia voltarei ao Peru e farei este caminho.
    Parabéns, Douglas.

    1. Oi Marta, obrigado pelo seu comentário!!
      Que legal que você pode reviver a sua viagem e ter boas lembranças. Fiquei feliz. Eu também voltarei para fazer o caminho Inca, dessa vez com a Julia.
      Abraços,

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: