Dia 54 – Milodón e Refúgio Darwin, na ‘porta’ de Torres del Paine

{Quarta, 17 de abril de 2019} O plano era ir rápido ao Parque Nacional Torres del Paine, mas tivemos que trabalhar no período da manhã, então continuamos em Puerto Natales. Sabe aquele dia que as coisas parecem que vão dar errado, mas no fim tudo se resolve? Hoje foi assim.

Bateria da casa, um item que precisamos melhorar

A bateria da casa deu sinal de estar fraca ontem. Por isso fomos ao posto, abastecemos o carro, e pedimos para usar uma tomada para carregar a bateria, mas não foi possível. Outro dia o frentista deixou. Hoje ele disse que precisava ver com a moça da administração, que disse que tinha que ver com o gerente. No fim, deixamos pra lá…

No mecânico Fernando esperamos das 9h20 às 10h, mas ele não abriu a oficina. Sem tomada e sem rodar com o carro não dá para carregar a  bateria. Sem bateria  não dá para trabalhar, e sem trabalhar não dá para sair de Puerto Natales.

Então procuramos outro mecânico no app iOverlander e encontramos o Marco. Dirigimos até lá.

A oficina estava aberta então entrei mas não havia ninguém. Chamei 2 ou 3 vezes, pois parecia que a casa era junto a oficina.

Nada. Tempo perdido e trabalho atrasando. Não queríamos ficar mais uma noite aqui, mas parecia inevitável.

Quando eu voltava ao carro, uma senhora saiu na porta ao lado. Era a mãe do Marco e ela disse que ele não estava mas que o neto já estava descendo.

Não precisava acordar ele.

Então a vó respinde: Ele dorme demais, ja deveria estar ajudando o pai.

E o neto veio e eu pedi para plugar o cabo. Sem problemas. Estacionei na calçada e enquanto carregava a Ju ficou trabalhando no nosso escritório.

Quando a campervan está no modo carro, não sobra muito espaço atrás, por isso fiquei ajudando pesquisando no celular.

Depois de duas horas a bateria ficou cheia. Ufa, vai dar certo.

Então fomos até a praça da igreja, mas não tinha lugar para estacionar. Será que vai dar errado?

Eentão voltamos para a mesma praça que ficamos nos últimos dias para usar o wifi. Ainda havia lugar onde o sinal pega bem. Ufa…

Antes passamos no mercado Unimarc e compramos comida pronta quente. Arroz com chuleta e batatas noiseletes.

Ficamos na praça até às 16h30, calibramos os pneus e seguimos em direção ao Parque Nacional Torres del Paine.

Não sei, me parece que sair tão tarde não foi uma boa ideia.

Cueva del Milodón

No caminho paramos para conhecer a Cueva del Milodón Natural Monument, que fica distante uns 25 km de Puerto Natales, na Ruta Y-290. A entrada custa $5.000 pesos chilenos/cada, em torno de R$ 30,00.

Em 1895 foram encontrados nessa caverna os ossos do extinto animal chamado Milodón (Mylodon ou Milodonte). Ele foi um grande mamífero, tinha em torno de 2 metros de altura, pesava em torno de 1 tonelada e viveu por ali há aproximadamente 10.000 anos atrás.

Alguns dizem que não vale a pena vir aqui e gastar tanto para ver um “boneco de dinossauro”, mas sério, você já entrou em uma caverna onde um viveu? Foi tipo estar no filme Era do Gelo rsrs.

Dá para ficar bastante tempo aqui, ao contrário do que parece. Não é só a caverna, tem trilhas de 1 hora, de 45 minutos e de até 4 horas.

Cueva del Milodón

Nós fizemos a principal que é até a Cueva Milodón.

A caverna é gigantesca! Reparou nele lá em cima no lado esquerdo? O tal Milodón morava muito bem!

Chega ou não chega?

Saímos de lá às 18h, preocupados se chegaríamos antes das 20h na entrada do parque Torres del Paine.

Se não chegássemos a tempo, não daria para entrar e dormiríamos isolados, sabe lá onde.

O tempo estava ruim com chuva fraca. Paramos em alguns mirantes, mas nem saímos do carro. A pressa nos apressava.

Chegamos na entrada do parque às 19h40, mas já estava fechado. Como assim?!

Refúgio Darwin

Então fomos até o Refúgio Darwin, que fica a alguns poucos km de lá, na Villa Serrano.

Antes de chegar lá, quase atolamos no caminho, a estrada era de terra e estava chovendo. Mas no fim, deu tudo certo.

Pedimos para deixar a bateria na tomada e estacionamos perto de um domo, onde havia uma. Enquanto carregava, trabalhamos no computador e no diário do blog.

Refúgio Darwin

Umas 2 horas depois o Erick veio avisar que desligaria o gerador. Então voltamos ao estacionamento, colocamos o carro no modo sala e jantamos.

Hoje a janta foi macarrão instantâneo e purê, com a água que tinhamos pego na lanchonete do Milodón. O jantar estava uma delícia.

Os banheiros ficam longe do estacionamento, uns 20 metros, por isso pegamos muito vento. 20 metros parece pouco né, mas vai lá com o vento gelado da patagônia.

Arrumamos a cama e fomos dormir à meia noite. Sorte ou azar, aquele dia que parece que tudo tá dando errado foi hoje. Mas no fim acho que foi só para corrigir o percurso para aproveitarmos melhor o parque, assim esperamos.

Quer saber mais sobre essa viagem? Confira esse post aqui melevadeleve.com/viagem-de-carro-pela-america-do-sul

Números do dia:

Distância percorrida: 124 km.
Tempo: 4 horas dirigindo.
Combustível: $880 pesos chilenos / litro (aprox. R$ 5,05) em Puerto Natales
Entradas Milodon: $ 5.000,00 pesos chilenos (aprox. R$ 30,00).
Refúgio Darwin: $ 10,000 pesos chilenos (aprox. R$ 60,00) para os dois.

Contribua para essa viagem

Está gostando da nossa viagem de carro pela América do Sul? Então use nossos links para reservar as suas viagens. O valor não muda para você e a comissão que ganhamos é bem pequena, o preço de um cafezinho que você toma enquanto está lendo e se divertindo com o diário da viagem e as nossas dicas.

Hospedagem: Booking.com ou Airbnb (Airbnb com desconto de R$ 130,00 na primeira hospedagem e R$ 49,00 em uma experiência)
Seguro Viagem: Seguros Promo (com 5% de desconto)
Passagens Aéreas: Passagens Promo
Aluguel de carro: Rentcars
Transfers: Viator
Passeios: ViatorTiqetsTourOn e Get Your Guide
Transferência online de dinheiro para o exterior: Transfer Wise

Agradecimentos aos nossos apoiadores dessa viagem:

 

Compartilhe
Julia Flores

Julia Flores

Formada em Turismo e Hotelaria, com pós-graduação em Marketing Estratégico e experiência com marketing de destinos turísticos. Amo viajar, não pelos carimbos no passaporte ou pelas selfies, mas pelo o que as viagens me proporcionam. Gosto de praticar esportes, mas também adoro ficar de preguiça no sofá em dias frios ou chuvosos.

Deixe seu comentário