Depois de visitar o Parque das Aves, atravessamos a Avenida das Cataratas e lá estávamos finalmente, indo conhecer uma das sete maravilhas naturais do mundo e também Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco, as Cataratas do Iguaçu.

Sabe o que Santos Dumont tem a ver com as cataratas? Não, então continue lendo…

As Cataratas do Iguaçu estão entre os principais atrativos do país, e por que não dizer, de toda a América do Sul, já que atrai mais de 1,6 milhões de visitantes anualmente. Demorou, mas chegou a nossa vez de ver essa maravilha da natureza.

Veja aqui onde se hospedar em Foz do Iguaçu. Aqui você pode comparar as locadoras para alugar de carro em 10x.

A História das Cataratas do Iguaçu

É claro que a grandeza do lugar chamou a nossa atenção, mas a história dela também.

As quedas d’água tinham dono, sabia? Ficavam dentro das terras de um uruguaio. E mais, o nosso Santos Dumont foi responsável direto na criação do que hoje é o Parque Nacional do Iguaçu.

Em 1916, Santos Dumont foi convidado pelo tal uruguaio para ‘conhecer umas cachoeiras’ que ele tinha em suas terras. Quando chegou lá, ele ficou maravilhado, e na mesma proporção, indignado de aquilo tudo ter um dono.

Ele então pressionou o governo do estado do Paraná para que o local fosse aberto para a visitação pública.

Mas foi somente em 1939, por meio de um decreto de lei, foi criado o Parque Nacional do Iguaçu.

Por isso, além de ser o “pai” da aviação, Santos Dumont também é considerado o “pai” do Parque Nacional do Iguaçu.

Em sua homenagem, no fim da trilha das cataratas, foi criada uma praça com uma estátua em tamanho natural.

O Parque, além das Cataratas do Iguaçu

Se você ainda não visitou as cataratas e acha que depois da bilheteria já vai dar de cara com as quedas d’água, pode tirar o seu cavalinho da chuva, ou melhor, pode  tirar o cavalinho dos respingos das quedas d’água das cataratas (ruim essa piada né?).

As cataratas ficam dentro do Parque Nacional Iguaçu, que tem nada menos que o equivalente a 185.262,5 campos de futebol, por isso é preciso pegar o ônibus que faz o transporte lá dentro. São quatro paradas até chegar as cataratas.

Primeira Parada: A primeira parada é na Administração do Parque Nacional do Iguaçu, onde ficam a escola parque, a polícia ambiental força verde e a sede administrativa do parque (ICMBio).

Segunda Parada: A segunda parada é a Trilha do Poço Preto, onde fica a trilha de 9km que dá o nome a parada.

Terceira Parada: A terceira parada é a Macuco Safari, onde ficam o passeio de barco macuco safari e a trilha das bananeiras.

Quarta Parada: A quarta parada é a Trilha das Cataratas, que é onde, finalmente, você desembarca para a visitar as cataratas, além do Espaço Tarobá, Hotel Cataratas e Espaço Naipi.

Quinta Parada: E a quinta e última parada é a Espaço Porto Canoas, onde tem ambulatório, loja de lembranças, central de serviços, praça de alimentação e o restaurante Porto Canoas.

Leia também: Roteiro de viagem em Foz do Iguaçu | Como é a visita à Usina de Itaipu | Vale a pena fazer o city tour de Foz do Iguaçu? | Onde comer em Foz do Iguaçu

Como foi nossa experiência nas Cataratas do Iguaçu?

Como não tínhamos muito tempo livre, optamos por só visitar as cataratas e deixar as outras atividades do parque para uma próxima visita.

Embarcados no ônibus, ocupamos os assentos do lado direito, pensando que veríamos alguma paisagem interessante, mas é só mata para todo lado.

Início do passeio no ônibus

Entre uma parada e outra, dentro do ônibus, recebíamos várias informações por meio de vídeos e áudios. E a cada parada a ansiedade só aumentava, queria ver logo as tão famosas quedas d’águas.

Primeira vista das Cataratas do Iguaçu

Quando chegamos na última parada, descemos do ônibus e já ouvimos aquele som forte de água caindo.

Meu coração disparou, queria correr para ver logo. E essa foi a primeira vez que eu vi as cataratas:

A sensação é de euforia provocada pelo forte barulho das águas que caem, e ao mesmo tempo de introspecção, pois o silêncio toma conta como se aquelas águas estivessem lavando a alma.

É simplesmente um espetáculo da natureza.

Os #LegosViajantes também curtiram demais esse momento!

Mais perto das cataratas

Depois de alguns minutos observando e de tirar várias fotos, decidimos seguir a trilha e chegar mais perto dessa maravilha da natureza.

E a cada passo dado uma nova paisagem se apresenta bem diante do olhos, como uma obra de arte pintada em um quadro, com pinceladas que nunca se repetirão em outra tela.

Finalmente avistamos a tão famosa passarela sobre as águas, bem de frente para as cataratas.

É de uma beleza ímpar. Dá vontade de sair correndo de encontro aquela imensidão de água.

E ali você esquece do frio e do vento, e corre empolgadíssimo, mesmo sabendo que suas roupas vão ficar encharcadas com a nuvem de água que as cascatas formam.

Depois de andar pela passarela, fomos para o mirante que tem ao lado.

O som forte da queda das cataratas é quase uma música, em que você está próximo as caixas de som e sente as notas tocadas pulsando em você.

É realmente um lugar para se ver e viver pelo menos uma vez na vida!

Almoço nas Cataratas do Iguaçu

Depois dessa experiência, fomos conhecer a praça dedicada a Santos Dumont. Fica próxima a uma área com estrutura de praça de alimentação, banheiros e lojas.

Nos secamos dentro do possível e fomos almoçar no restaurante Porto Canoas.

Vimos várias indicações pela cidade sobre esse restaurante, que tinha vista para as cataratas e que era muito recomendado para os turistas.

A expectativa era alta para conhecer o “restaurante das cataratas”.

Escolhemos uma mesa do lado de fora, queríamos ouvir um pouco mais do canto das cataratas, mas a posição do restaurante, acima das quedas, revela mais o silêncio do que a sinfonia das águas.

Mas ainda assim dava para ver a imensidão do rio que ali corria e as passarelas do lado argentino.

A comida era um buffet com opções de salada, carnes, arroz, feijão, batatas, legumes e sobremesa, opções comuns de restaurantes que servem almoço executivo.

O atendimento foi um tanto quanto desatendo.

Não sei o que acontece em Foz, talvez seja o agito das águas que deixam as pessoas um pouco desatentas e ansiosas, impedindo de prestar atenção e ouvir o que a outra pessoa tem a dizer.

Enfim, ao sair do restaurante ouvimos os comentários de alguns agentes de viagem, que diziam-se decepcionados, assim como nós.

Comida muito cara, incompatível com a qualidade. Será apenas o preço por comer nas cataratas?

Fim do Passeio

De volta ao ônibus, fomos nos despedindo das cataratas, dizendo um até logo, nos vemos novamente em breve. E na próxima queremos explorar o parque todo. Deve ser incrível ver as cataratas de baixo, bem pertinho das quedas.

Santos Dumont estava certíssimo quando disse que “sem exagero nenhum, é uma maravilha”.

Parque nacional do Iguaçu – Cataratas do Iguaçu

Onde: BR 469 KM 18 – Parque Nacional do Iguaçu – Foz do Iguaçu/PR (ao lado do Parque das Aves)
Quando: Todos os dias
Horário: 9:00 às 17:00. Ônibus parte a cada 20 minutos para os atrativos do parque.
Como chegar:
De ônibus: Linha 120 (Centro – Pq. Nacional). Passagem R$ 3,20. Desembarque em frente ao parque.
De carro: Coloque o endereço acima no GPS ou siga as placas em direção as Cataratas do Iguaçu. Estacionamento R$ 21,00.
Ingressos:
A partir de 12 anos R$ 57,30 por pessoa. Crianças de 2 a 11 anos R$ 9,00.
Brasileiros: A partir de 12 anos, R$ 34,30 por pessoa. Crianças de 2 a 11 anos e maiores de 60 anos pagam R$ 9,00.
Mercosul: A partir de 12 anos, R$ 46,30 por pessoa. Crianças de 2 a 11 anos pagam R$ 9,00.
Atividades extras: Macuco Safari R$ 198,00; Macuco Selva R$ 99,00; Macuco Privativo R$ 396,00; Bird Watching R$ 515,00; Trilha Poço Preto R$ 278,00; Trilha das Bananeiras R$ 216,00; Passeio Ilha dos Papagaios R$ 123,00; Bananeiras Floating R$ 164,00 e Passeio Porto Canoas R$ 61,00.
Restaurante: almoço no Porto Canoas R$ 63,80.
Classificação etária: Livre

Para planejar o seu roteiro em Foz do Iguaçu, leia os outros posts aqui. E para saber onde ficar, veja as opções de onde se hospedar em Foz do Iguaçu.

Posts relacionados

Julia Flores

Formada em Turismo e Hotelaria, com pós-graduação em Marketing Estratégico e experiência com marketing de destinos turísticos. Amo viajar, não pelos carimbos no passaporte ou pelas selfies, mas pelo o que as viagens me proporcionam. Gosto de praticar esportes, mas também adoro ficar de preguiça no sofá em dias frios ou chuvosos.

Deixe seu comentário