Uma dúvida que surgiu quando estávamos planejando o mochilão na Ásia foi: quanto tempo conseguimos viajar com X dólares?

Buscamos conselhos na internet e obtivemos respostas das mais variadas.

6 anos depois de pensar a respeito de todas elas e de ter feito essa e outras viagens, podemos dar dicas para viajantes que também têm essa dúvida cruel.

Cada viajante independente tem diferentes padrões de gastos durante a viagem, por isso essa pergunta é muito difícil de responder.

É difícil encontrar uma resposta única, que sirva para todos.

Há quem dá a volta ao mundo de mochilão em 3 meses gastando o que para outros seria suficiente para um ano de viagem.

Para começar a tentar responder essa dúvida, é preciso analisar alguns fatores:

Quais destinos você escolheu para a viagem?

Essa pergunta faz toda diferença! Quando estávamos decidindo pelo mochilão na Ásia levamos isso em conta o tempo todo. Alguns países são extremamente baratos enquanto outros vão precisar de mais investimento.

Por exemplo, no Vietnã a média de gasto diário foi inferior a US$ 16,00 por dia por pessoa.

Se tivéssemos decidido trocar o mochilão no Vietnã pelo mochilão na Nova Zelândia, esse valor não seria suficiente nem para a hospedagem, quem dirá para fazer todas as atividades de ecoturismo e aventura de lá.

Qual é seu percentual de ‘mochileiro roots’ e de turista?

Mochileiro roots é aquele que consegue viajar com muito pouco dinheiro, gastando apenas no essencial. Refeição apenas para alimentar o corpo em restaurantes simples e não para degustar em restaurantes turísticos. Hospedagem apenas para ter um teto e não para desfrutar de serviços ‘supérfluos’, como SPA, por exemplo.

Já o turista não-roots não dispensa mordomias que o lembrem o tempo todo de que ‘está de férias’.

Independente do local, é possível ser roots ou não. É possível ser um mochileiro roots em um mochilão nos Estados Unidos e é possível ser um turista na Índia.

Qual é o seu ritmo de viagem, ‘amazing race’ ou ‘slow travel’?

Quem corre de uma cidade para outra para ver o máximo de locais turísticos, precisa de um meio de transporte compatível com essa velocidade.

Se a cidade A está longe de B, é maior a chance de se gastar mais.

Até mesmo dentro de uma cidade, para cumprir o check list de atrações, muitas vezes é preciso recorrer aos táxis.

Já no slow travel, a experiência da viagem é justamente não ter pressa e passar por menor quantidade de cidades, ficando mais tempo em cada uma delas.

Dentro da cidade, andar a pé é uma maneira de viajar sem pressa. Dessa forma, economiza-se com os meios de transporte.

É possível fazer uma ‘maratona de países’ em um mochilão na América do Sul, que certamente gastaria mais em termos de transporte do que a mesma correria na Europa, por causa das empresas aéreas lowcost de lá.

Quão independentes são suas viagens?

Existem pacotes onde você simplesmente compra todo o roteiro. Há viajantes independentes que não deixam de contratar alguns serviços, uma vez ou outra, como um motorista/guia para conhecer alguma região de acesso difícil.

Isso não quer dizer que deixaram de ser independentes. Cada viagem/destino/viajante tem suas características e necessidades.

E há aqueles que são completamente independentes. Às vezes economizam justamente por fazer tudo por conta própria, mas que outras vezes acabam gastando mais, exatamente por esse motivo.

Algumas vezes compensa mais pesquisar o roteiro e planejar a viagem por conta própria e depois comprar a passagem aérea e/ou reservar os hotéis em uma agência de viagens.

Você viaja para conhecer o lugar de dia ou de noite?

Isso também é determinante! Quem viaja para conhecer o lugar de dia e não vai à bares e baladas, certamente não gasta em festas o mesmo que gasta quem quer conhecer todas as baladas durante a viagem.

Tipos de viagens

Pensando em duas viagens hipotéticas, realizadas nos extremos dessas características acima, podemos perceber a diferença de orçamento entre uma viagem e outra.

Viagem 1: Mochilão de meio ano pela América do Sul, padrão de gasto de mochileiro roots, passando sem pressa por 6 países (um país por mês), com todos os deslocamentos por terra, indo a baladas uma vez ou outra, só para variar um pouco.

Viagem 2: Mochilão de meio ano pela América do Norte, Europa e Austrália, hospedando-se algumas vezes em pousadas, ficando poucos dias em cada cidade (média de 3 dias em cada), conhecendo 2 cidades em cada país, usando avião ou trem expresso para ir de uma cidade a outra, indo aos restaurantes ‘imperdíveis’ dos guias de viagem e conhecendo todas as baladas possíveis.

Nem falamos em valores, mas deu para perceber que a viagem 1 é muito mais econômica do que a viagem 2, não é?

Vale lembrar que foram exemplos extremos, há muitos ‘meios-termos’ entre eles.

Então, quanto tempo é possível viajar com X dólares?

Viram? Não há resposta pronta! Cada viajante precisa saber primeiro que tipo de viajante é para tentar chegar perto de uma previsão.

Douglas e Julia

Bio de casal? Como assim? É que alguns textos foram escritos juntos, então aqui estamos nós. Julia é gaúcha que solta uns 'ô meu' e Douglas é paulista que manda uns 'bah tchê'. São formados em Turismo e Hotelaria com especialização em Marketing, amam viajar e criaram esse blog em 2005. Já viu, né, viagem é o assunto principal deles.

PROGRAME A SUA VIAGEM AQUI

Escolha e reserve: Hotel | Airbnb

  Compare preços e planos e contrate o seu seguro de viagem

Compre antecipado e online entradas de atrativos e passeios: No Brasil | No exterior

Compare as empresas de aluguel de carros e viaje no seu tempo. Pagamento parcelado.

Compartilhe com seus amigos:

6 comentários em “Quanto tempo consigo viajar com X dólares?

  1. Pois é, tem muita gente que me pergunta isso e sempre explico que depende de muita coisa. Gostei do post!!

    1. É verdade, é uma dúvida muito comum. Bastante gente pergunta para nós também.
      Obrigado pelo comentário!!

  2. E viajar sem dinheiro ? Quero dizer, pegar sua melhor mochila, preenche-la com o necessário e sair, a pé, em busca de aventuras etc. sem nenhum puto no bolso. Quais as possibilidades disso dar certo ?

    1. Julio, difícil de dizer se vai dar certo. Mesmo sendo uma aventura, não deixe de pesquisar e ter planos A e B (e C também).

      Vimos muita gente viajando assim, trabalhando temporariamente para continuar viajando. Contando com a sorte e a bondade das pessoas para economizar na comida e hospedagem. Levando barraca e pedindo para dormir no quintal das pessoas.

      Olha esse site, tem bastante informações legais http://www.caronainterativa.com.br/

      Mas é difícil dizer que dará certo ou errado. Depende de cada pessoa, das circunstâncias em cada lugar e da sorte.

      Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *