Meu aniversário estava se aproximando e nesse dia normalmente fazemos um jantar pra família e amigos em casa.

Além disso, gostamos de nos presentear com experiências, que pode ser um jantar em um restaurante renomado, show de alguma banda que gostamos, dia de spa, entre tantas outras.

Mas dessa vez o Douglas resolveu fazer uma surpresa diferente. Pediu que eu desmarcasse meus compromissos do final de semana, pois iríamos viajar.

Viagem surpresa!

Perguntei para onde, mas a única resposta que obtive é que levaria umas 4 horas de viagem. Dessa vez, meu presente seria uma viagem surpresa 🙂

Comecei a tentar saber o destino, quais lugares dava para ir em 4 horas, de carro e de avião 😀 Saindo de São Paulo, as opções são muitas. E o Douglas ficava me deixando mais curiosa 😛

Como fazer uma mala sem saber para onde você vai? Então pedi para o Douglas me falar se era praia, montanha, qual a previsão de temperatura.

Então ele respondeu que estaria quente, para separar biquini. Uhuu, ao menos uma pista eu tinha. Ele disse que tem cachoeira, que tem stand-up paddle, trilha de jipe. Preparei minha mala bem variada e aguardei a partida.

O caminho supresa

Saímos de casa às 6:15 da manhã para não pegar muito trânsito no caminho. Detalhe que eu ainda não sabia o destino.

Fomos em direção ao aeroporto de Guarulhos, pensei que poderia ser um voo. Ou estávamos indo em direção ao litoral norte de São Paulo.

Passamos o aeroporto, então meu palpite estava certo, praia, litoral norte de São Paulo.

Fizemos uma parada no Graal Market em Guararema. Estava frio e com neblina, normal para essa época do ano. E eu torcendo para que no destino surpresa estivesse quente, pois eu estava levando só um casaco e uma calça para o caso de estar frio.

Sobre esse Graal Market, nós gostamos muito do conceito. A parada é nova, existe há uns 5 meses. Toda a decoração é temática dos Estados Unidos, com banheiros limpos e amplos, paredes decoradas com grafites. No início tem várias estações de comida e buffet ao centro, depois um espaço amplo com várias mesas e mais no fundo, um mini mercado.

Vale a pena programar uma parada aqui pra quem vai sentido litoral norte ou Rio de Janeiro pela SP-70 (Rodovia Governador Carvalho Pinto, 67).

É praia!

Continuamos o caminho pela Rodovia dos Tamoios, em direção a São Sebastião. Aqui tive certeza que era litoral norte, só faltava saber qual cidade. Quando chegamos a São Sebastião, pegamos a Rio-Santos no sentido sul. Estava só observando as placas, se o Douglas virasse para a balsa era Ilhabela.

Quando ele virou em sentido a balsa eu comecei a rir 😀 “Eeeee Ilhabelaaaa, finalmente vamos nos conheceeeeeer”. E o Douglas me perguntou como eu tinha certeza. “Ué, pra onde mais a balsa vai?” 😛

Ilhabela

A fila para pegar a balsa demorou um bocado, e olha que nem era fim de semana prolongado. A travessia também é demorada, levamos mais de 1 hora para atravessar de balsa e chegar em Ilhabela.

O dia estava nublado para o lado sul e aberto para o lado norte da ilha, nem dava para ver toda a ilha durante a travessia. E adivinha pra qual lado era nossa pousada? Lado sul da ilha, claro, onde estava nublado 🙁

Mas e daí, eu estava indo passar meu aniversário na praia. Então podia até chover que eu não ligaria.

Já em Ilhabela, no caminho para a pousada, a ilha ia se mostrando aos poucos diante de nossos olhos: a parada de ônibus com janela de vidro para apreciar a vista para o mar, as garagens que ficam em cima das casas pois estas ficam na encosta, abaixo da altura da rua, com vista privilegiada 🙂

Outros encantos vão se revelando enquanto alternamos entre ver a linda paisagem e observar o cotidiano: os motoristas dos carros andam sem pressa parando na faixa de pedestre para as pessoas atravessarem, o motorista e o pedestre se cumprimentam para agradecer a gentileza.

Que lugar inspirador, afinal como diria o Profeta Gentileza , José Datrino, “gentileza gera gentileza”.

Pousada Lacosta, Praia Grande

Chegamos enfim na Pousada Lacosta. Logo na chegada percebemos a tranquilidade do lugar. Do lado de fora um cachorro grande tirando um cochilo, nem se mexeu com nossa chegada. Na porta um bilhete para tocar a campainha e aguardar. Silêncio total…

Logo veio seu João, andando vagarosamente com um sorriso no rosto e acompanhado de outro cachorro grande. Então ficamos sabendo que um deles é da pousada e o outro é um cachorro de rua, que todos os vizinhos ajudam a cuidar.

Fizemos nosso check-in. O sr. João nos falou um pouco sobre Ilhabela, coisas legais para fazer, como funcionava a pousada, indicou dois restaurantes ali pertinho e aconselhou usar bastante repelente. Deixamos nossas coisas no quarto e fomos almoçar, ansiosos para descobrir o que tem para ver e fazer em Ilhabela.

Já não lembrávamos mais os nomes dos restaurantes, só lembrávamos para que lado tinha que caminhar. Então fomos caminhando pela calçada, beirando a Praia Grande.

Encontramos uma igrejinha linda na orla e um pier também muito bonito. Resolvemos almoçar no restaurante Barba Frutos do Mar, pé na areia, que fica bem pertinho da igreja.

Claro que pedimos peixe de almoço né. Cada um pediu um tipo diferente, não somos especialistas, mas tenho certeza que veio o mesmo peixe com acompanhamentos diferentes 😀 Mas sobre o restaurante (e a pousada), falamos mais depois, em outro post.

Enfim, voltamos para a pousada depois do almoço. Eu tinha dormido só umas 3 horas na noite anterior, então aproveitei que o Douglas precisava responder uns emails urgentes de trabalho e tirei um cochilo. Afinal de contas estávamos na P-R-A-I-A e estava NU-BLA-DO 😛

Centro histórico de Ilhabela

Depois do meu soninho da beleza, como diz meu pai, fomos conhecer o centro de Ilhabela. Estacionamos na Praça Cel. Julio de Moura Negrão e fomos explorar o lugar a pé.

Nós adoramos centros históricos e o de Ilhabela é lindinho demais. Conhecemos a Igreja Matriz, as diversas lojinhas, a Rua do Meio, o pier, a orla…

Caminhando lentamente, sem pressa para nada, vimos os barcos dançando parados no mar, vimos o vento balançando as árvores, vimos as crianças brincando como em qualquer cidadezinha de interior.

Enfim, o lugar é pequeno, mas muito charmoso, com casas antigas e bem conservadas que foram transformadas em estabelecimentos comerciais.

Pra encerrar o dia, fomos jantar um restaurante que chamou nossa atenção enquanto caminhávamos ali pelo centro de Ilhabela, o Manjericão. Lugar super agradável, tranquilo, muito bom para casais e a comida é muito boa.

E assim foi o primeiro dia do meu presente, da minha viagem surpresa 🙂

O que dizer de um presente desses, não é mesmo? Sou a favor de viagem surpresa para todos os meu próximos aniversários. #Ficadica 🙂

Para planejar o seu roteiro em Ilhabela, leia os outros posts, incluindo o diário da viagem surpresa, aqui. E para saber onde ficar, veja as opções de onde se hospedar em Ilhabela. Se preferir alugar carro para conhecer Ilhabela, compare preços aqui.

Douglas e Julia

Bio de casal? Como assim? É que alguns textos foram escritos juntos, então aqui estamos nós. Julia é gaúcha que solta uns 'ô meu' e Douglas é paulista que manda uns 'bah tchê'. São formados em Turismo e Hotelaria com especialização em Marketing, amam viajar e criaram esse blog em 2005. Já viu, né, viagem é o assunto principal deles.

PROGRAME A SUA VIAGEM AQUI

Escolha e reserve: Hotel | Airbnb

  Compare preços e planos e contrate o seu seguro de viagem

Compre antecipado e online entradas de atrativos e passeios: No Brasil | No exterior

Compare as empresas de aluguel de carros e viaje no seu tempo. Pagamento parcelado.

Um comentário em “Ilhabela – Diário da Viagem Surpresa 1

Deixe seu comentário