A Île d’Orléans é um passeio próximo a Quebec muito agradável. A ilha é charmosa, tranquila e oferece atrações típicas de interior, como vinícolas, restaurantes que usam ingredientes locais e lojinhas de produtos colonias como geleias, queijos, doces, mel e o tradicional maple.

Além de ser ótimo para um tour gastronômico, a paisagem de interior é linda e se completa com o Rio São Lourenço, visível de vários pontos da estrada.

As pequenas vilas têm casas que parecem cenário de filme. A vida passa sem pressa por lá.

Conhecemos a Île d’Orleans logo depois de visitar o Parc de la Chute-Montmorency, pois a catarata Montmorency está bem no caminho de Old Quebec até a ilha.

Leia aqui o nosso artigo com dicas do Parc de la Chute-Montmorency.

Île d’Orléans

A Ilha de Orleans foi a primeira região da província de Quebec a ser colonizada pelos franceses, por isso a arquitetura lembra muito o interior da França.

A ilha é acessada por uma ponte, e tem 34 quilômetros de comprimento por 8 quilômetros de largura. O roteiro pela Île d’Orleans é feito pela rota 368, mais conhecida como Chemin Royal, que tem 67 quilômetros de extensão.

A rodovia circula toda a ilha e passa por 6 vilas: Saint-Pierre-de-l’Île-d’Orléans, Sainte-Famille, Saint-Francois, Saint-Jean, Saint-Laurent-de-l’Ile-d’Orleans, Sainte-Pétronille. Em cada vila há pelo menos uma atração turística, que pode ser uma lojinha de produtor local, um restaurante ou uma cafeteria convidativa.

Roteiro na Île d’Orléans

Nós chegamos na hora do almoço e no fim da tarde já estávamos voltando à Quebec, pois tínhamos que devolver o carro alugado. Quem gosta de passear com tranquilidade pode até mesmo dormir uma noite na Ilha, assim pode aproveitar ainda mais as deliciosas opções de restaurantes.

Veja aqui as opções de hospedagem na Île d’Orléans. Compare e alugue carro com a Rentcars. Compare preços e planos e contrate o seu seguro de viagem para o Canadá.

O nosso roteiro começou no sentido sul da Chemin Royal e nós percorremos toda a rodovia até chegar novamente na ponte.

Mas afinal, o que tem para ver e fazer na Île d’Orléans? Bom, nós começamos almoçando na Vignoble Sainte-Pétronille.

Vignoble Sainte-Pétronille

Criado em 1989 a Vignoble Sainte-Pétronille tem 13 mil pés de parreiras de uva, que devido ao solo rico e ao microclima da ilha, produzem vinhos de alta qualidade.

Lá encontra-se 9 variedades: Acadie, Chardonnay, Frontenac blanc, Pinot gris, Riesling, Vandal-Cliche, Vidal, Marquette e Petite Perle, todas disponíveis para degustação (3 vinhos por CAN 2,00 e 5 por CAN 5,00).

Tem também tour guiado para quem quer saber tudo com detalhes sobre a plantação, colheita e produção dos vinhos.

Confira aqui o tour na Île d’Orléans.

Restaurante Panache

Na realidade colocamos a vinícola no roteiro por causa do restaurante Panache, de culinária local, que utiliza ingredientes produzidos na própria ilha por diversos agricultores e pequenos fazendeiros. Essa é a grande atração da ilha, a gastronomia de base local, misturada com agroturismo.

O restaurante da vinícola é em um trailer que fica na parte alta da propriedade e as mesas ficam em uma varanda de madeira que tem vista para os vinhedos. Ao longe (beeem longe) ainda é possível ver as quedas d’água de Montmorency.

Apesar de ter boas opções de comida mais no estilo informal, o personagem principal é o vinho. Nós escolhemos primeiro o vinho, quer dizer, 50% de nós escolheu vinho e os outros 50% tomaram suco de maçã porque estava dirigindo, e depois o prato que melhor combinava. O vinho da casa escolhido foi um rosé seco, Bouquet d’Orléans (2016).

Almoço

Todas as opções do cardápio pareciam deliciosas, então deixamos que a garçonete escolhesse por nós 2 pratos diferentes e que fossem leve, afinal era verão e fazia muito calor.

Então veio a entrada. Uma sopa de pepino fria com maçã verde, leite de coco, coentro e romã. Não sei você, mas nós nunca tínhamos provado isso antes. Como é muito feio dizer que não gostamos antes de provar… encaramos a sopa verde gelada.

E não é que a danada da sopa é boa mesmo, deu vontade de repetir. A sopa fria tem uma consistência cremosa, é bem leve, refrescante e quase não dava para perceber o sabor do pepino. E custou $6,00 CAD.

Depois vieram os pratos quentes. Um foi um sanduíche grelhado com queijos Louis d’Or, Canotier & Valbert, maçã, pesto e bacon crispy, acompanhado por salada e batata frita. Ótima sugestão da garçonete, estava delicioso.

O outro prato foi camarões grelhados, salada de erva-doce com limão, tomates e molho de wafu caseiro. Acho que nunca provamos erva-doce sem ser no chá. Viajando, provando e aprendendo.

Realmente fica muito gostoso. A salada era fresquinha, crocante e, ao contrário do que pensamos, a erva-doce não deixou o prato doce. Talvez pelos temperos e o molho wafu. E só pra reforçar, era verão e fazia muito calor, então os pratos foram perfeitos.

Logo depois de almoçar deu uma vontade enorme de tomar um café, mas seguimos adiante para tentar encontrar uma cafeteria legal pela ilha.

8705, Chemin Royal, Sainte-Pétronille -de-l’Île-d’Orléans, QC, G0A 4C0

Chocolaterie de l’Ile d’Orleans

A Chocolaterie de l’Ile d’Orleans chamou a atenção pela arquitetura simples e charmosa e pelos bancos no jardim onde as pessoas estavam tomando café. Decidimos parar. Essa é a vantagem de passear com carro alugado 🙂

O lugar tem um ambiente bem informal e serve sanduíches, saladas, massas, pizzas, doces variados, vinhos, cervejas artesanais e o popular sorvete com chocolate belga.

A mesa no jardim é uma engenhoca que balança os bancos para frente e para trás, enquanto ela fica paradinha no meio.

Café tomado, pegamos a Chemin Royal novamente e seguimos para a próxima parada do roteiro.

8330, Chemin Royal, Sainte-Pétronille -de-l’Île-d’Orléans, QC, G0A 4C0

 Leia também nossos artigos com dicas sobre onde se hospedar em Quebec e onde comer em Quebec.

Confiturerie Tigidou

Sabia que 100% dos autores desse blog são doidos por geleias?

Então, não poderíamos deixar de fora a Confiturerie Tigidou, que faz geleias de modo artesanal com frutas produzidas na ilha mesmo, juntando açúcar orgânico, ervas do próprio quintal e especiarias do norte de Quebec.

O sabor é mágico! E além disso o lugar é uma simpatia, com decoração simplesmente encantadora. Mais um lugar que parece ter saído da tela do cinema. É impressionante o cuidado com a decoração, detalhes e o atendimento gentil.

Compramos uma caixa com quatro geleias de sabores diferentes, de mirtilo (blueberry), de framboesa, de caramelo e de mirtilo e maple syrup, por CAD 29,95. Ah, e um mel cremoso também. Não é muito barato, mas é bom demais e vale cada centavo de dólar canadense.

5508, Chemin Royal, Saint-Jean -de-l’Île-d’Orléans, QC, G0A 3W0

La Seigneurie de L’Île d’Órléans

Seguimos para o jardim de lavanda La Seigneurie de L’Île d’Órléans, mesmo já sabendo que os 75 mil pés de lavanda não estavam floridos nessa época do ano (junho). O lugar é considerado um dos jardins de lavandas mais bonitos de todo o Canadá e tem um tour guiado pela plantação.

Escolhemos o lugar por causa dos produtos feitos de lavanda e dos cosméticos artesanais, feitos com leite de cabra.

Compramos um creme hidratante e um saquinho de lavandas desidratadas para colocar dentro da fronha e aromatizar o travesseiro. É muito bom para ajudar a dormir melhor.

3658, Chemin Royal, Saint-François -de-l’Île-d’Orléans, QC, G0A 3S0

Veja aqui as diversas opções de tours em Quebec e região. Veja aqui quanto custa alugar carro em Quebec.

Les Fromages de l’Isle d’Orléans

Ah, 50% dos autores do blog são fãs de queijo, então o Les Fromages de l’Isle d’Orléans não poderia ficar de fora da nossa listinha do que ver e fazer na ilha.

O que tem de especial nesse lugar? Ele é simplesmente o produtor do primeiro queijo feito nas Américas! Além disso a propriedade também vende patês, geleias, maple syrup, alimentos em conservas e mel.

Para nosso azar ele estava fechado para reforma e não pudemos visitar. Pelo menos tinha uma listinha de mercadinhos na ilha onde poderíamos encontrar o tal queijo a venda. Assim fizemos. Compramos para comer depois no hotel.

2950, Chemin Royal, Sainte-Famille -de-l’Île-d’Orléans, QC, G0A 3P0

Cidrerie Verger Bilodeau

A Cidrerie Verger Bilodeau é um vinhedo/pomar aberto para visitação, onde pode-se comer frutas direto do pé.

Na lojinha, encontramos cidras, espumantes, vinho mistela e cidra de maple, tudo produzido lá mesmo. Além das bebidas, tem vários produtos de maçã e maple.

Compramos um icewine que a simpática dona do lugar nos disse que era ótimo para cozinhar. Esse tour pela Île d’Orléans foi pra deixar a mala pesada rsrsrs

1868, Chemin Royal, Saint-Pierre -de-l’Île-d’Orléans, QC, G0A 4E0

Cassis Monna & Filles

O Cassis Monna & Filles é uma atração da Île d’Orléans listada em vários sites como imperdível, mas quer saber, achamos um exagero.

Não sei se é birra pelo mal atendimento, mas o lugar não nos encantou como era a expectativa. É, acho que é birra, o lugar tem decoração bem agradável, estilo “boutique retrô-moderno” e serve um sorvete de cassis muito bom.

Aliás, cassis é o ingrediente principal de muitas coisas que eles vendem e o licor de cassis é o principal produto.

Tomamos o sorvete sentados na varanda, com vista para um gramado bem verdinho e para o Rio São Lourenço.

1225, Chemin Royal, Saint-Pierre -de-l’Île-d’Orléans, QC, G0A 4E0

Como chegar na Île d’Orléans

A ilha fica a 16 quilômetros de Old Quebec e o trajeto de carro dura uns 20 minutos. Nós fomos de carro alugado, logo depois de visitar o Parc de la Chute-Montmorency, mas existe um tour saindo de Quebec.

Veja aqui o tour de Quebec a Ilha de Orleans.

Saindo de Old Quebec, o caminho até a ilha é bem tranquilo, pois os canadenses são muito educados no trânsito e o caminho é fácil. Quem não tiver GPS ou celular com aplicativo, pode ir seguindo as placas para acessar a rodovia 440 (Autoroute Dufferin-Montmorency) e depois pegar a ponte que fica em frente ao Parc de la Chute-Montmorency. Passando a ponte, começamos o roteiro em Île d’Orléans pelo sul da ilha.

Douglas e Julia

Bio de casal? Como assim? É que alguns textos foram escritos juntos, então aqui estamos nós. Julia é gaúcha que solta uns 'ô meu' e Douglas é paulista que manda uns 'bah tchê'. São formados em Turismo e Hotelaria com especialização em Marketing, amam viajar e criaram esse blog em 2005. Já viu, né, viagem é o assunto principal deles.

PROGRAME A SUA VIAGEM AQUI

Escolha e reserve: Hotel | Airbnb

  Compare preços e planos e contrate o seu seguro de viagem

Compre antecipado e online entradas de atrativos e passeios: No Brasil | No exterior

Compare as empresas de aluguel de carros e viaje no seu tempo. Pagamento parcelado.

Os links acima são de nossos parceiros e nós recebemos uma pequena comissão por cada venda, o que nos ajuda a manter o blog. É como se você estivesse nos 'pagando um café' pelas dicas que damos.

2 comentários em “O que ver e fazer na charmosa Île d’Orleans, Quebec

Deixe seu comentário